Artigos FASA

Fitopatologia Agrícola: No contexto da Agronomia e no futuro do controle de doenças de plantas

Data da publicação: 26/01/2022
COMPARTILHE: Facebook Twitter E-mail

A fitopatologia agrícola é definida como ciência que estuda as doenças das plantas em todos os seus aspectos, incluindo diagnose, sintomatologia, etiologia, epidemiologia e controle. Tem extrema importância no contexto da Agronomia, especialmente nos últimos anos, em que diversos patógenos (principalmente fungos, a exemplo prático do agente causal da ferrugem asiática Phakopsora pachyrhizi) vêm sendo relatados como resistentes ao uso de moléculas químicas. 

Adicionalmente, sabe-se que o desenvolvimento de novas moléculas é um processo lento e de alto custo, sendo a adoção de estratégias de manejo das doenças, como as janelas de semeadura, uso racional baseado em conhecimento agronômico técnico, utilizando de planejamento e do manejo integrado de doenças, necessárias para atrasar este processo de seleção de populações de patógenos resistentes. 

A diagnose utiliza diversas estratégias para diagnosticar de forma assertiva qual o agente causal das doenças de plantas (organismo vivo, vírus e até mesmo condições ambientais desfavoráveis), incluindo análises visuais, laboratoriais e sintomas.

A sintomatologia são as manifestações, reações da planta a este agente nocivo, como necroses, cloroses, amarelecimento, murcha, dentre inúmeros outros sintomas que podem surgir, até mesmo redução do crescimento ou crescimento anormal, como no caso das galhas.

A etiologia estuda as causas das doenças, que podem inclusive ser derivadas por condições ambientais (como frio, temperaturas elevadas, geadas, etc). Desta forma, temperatura e umidade, nutrição desequilibrada, pH e etc, podem manifestar sintomas e causar doenças em plantas. 

Por fim, a epidemiologia estuda a distribuição de frequência destas doenças em função das condições ambientais e do tempo (como estas doenças evoluem no ciclo da cultura, no próximo ciclo; como os patógenos se disseminam para outras áreas: vento, chuva, máquinas, dentre outros; e em resposta ao manejo que será realizado e que poderá influenciar no aumento ou redução da doença.

Desta forma, o objetivo da fitopatologia é descobrir os fatores que causam as doenças das plantas, quais os mecanismos e a interação entre os patógenos, a planta doente e o ambiente (quais temperaturas, umidade, molhamento foliar favorecem a doença a campo), para que seja realizado o diagnóstico correto, e assim, sejam utilizadas diferentes estratégias de controle, e não somente o uso de moléculas químicas.

Ações que possam diminuir a população destes patógenos na área de cultivo para as próximas safras, a exemplo a rotação de culturas e uso de materiais genéticos (cultivares) resistentes, dentre inúmeras outras são necessárias.

O profissional agrônomo é responsável por diagnosticar de forma correta as doenças e planejar as estratégias de controle, sejam elas preventivas, erradicantes e/ou curativas, sendo os conhecimentos adquiridos na disciplina de Fitopatologia Agrícola indispensáveis para a assertividade deste processo. O futuro do controle de doenças e a eficiência das moléculas químicas disponíveis no mercado dependerá da atuação responsável destes profissionais.


Bruna Rohrig

NOTÍCIAS ARTIGOS

VEJA O ARQUIVO DE NOTÍCIAS COMPLETO >>

VEJA O ARQUIVO DE ARTIGOS COMPLETO >>