Artigos FASA

Influência do clima nas paisagens naturais do Rio Grande do Sul

Data da publicação: 19/01/2022
COMPARTILHE: Facebook Twitter E-mail

O Rio Grande do Sul é um Estado que se destaca por sua elevada diversidade de clima, solos e relevo. Em função dessa diversidade, dois distintos biomas são encontrados no território Gaúcho: a Mata Atlântica e o Pampa.

A Mata Atlântica é caracterizada pela presença predominante de vegetação florestal, que se estende por cerca de 37% do território Gaúcho, ocupando a metade Norte do Estado. Em contrapartida, o Pampa, cuja ocorrência no Brasil é restrita ao Rio Grande do Sul, ocupa a metade Sul do Estado, e se estende por 63% do território (Ministério do Meio Ambiente, 2015). Prevalece na paisagem natural do Pampa a vegetação campestre. 

A acentuada instabilidade climática da época em que vivemos, com o aumento significativo da temperatura e da umidade, influencia diretamente na composição e na distribuição da vegetação, refletindo nestes ecossistemas.

Sabe-se que o Pampa foi a primeira tipologia vegetacional a se estabelecer no Estado, e que representa um clima outrora mais seco e frio. Como as oscilações climáticas tornam o clima cada vez mais ameno, temos o favorecimento da expansão florestal. Desta maneira, as formações campestres do Pampa são tidas como verdadeiros relictos do passado, que se adaptam e resistem às novas condições do clima. 

Existem evidências de que o predomínio da vegetação campestre no bioma Pampa, ocorre a pelo menos 22.000 anos de idade, estando as florestas condicionadas ao longo dos rios, formando pequenos agrupamentos a cerca de 5.170 anos, onde justamente temos o início de um clima mais quente e úmido (BEHLING, 2005). 

Embora a dinâmica campo-floresta desperte a atenção de estudiosos, muito pouco se sabe sobre a origem dos biomas e, principalmente, sobre seus limites, uma vez que o mosaico campo-floresta encontra-se em permanente competição no espaço regional, sempre condicionado sob forte influência das condições climáticas.

Frente a essa escassez de estudos, gerar informações sobre a influência do clima nas paisagens naturais do Rio Grande do Sul é de extrema importância, por servir de base para construção de ações de recuperação de áreas degradadas e conservação ambiental condizentes com as características de cada bioma. Além disso, essas informações permitem que conheçamos um pouco mais da origem e diversidade florística do nosso Estado, onde florestas se intercruzam com o campo, formando um cenário de beleza única.


Eliara Piazza

NOTÍCIAS ARTIGOS

VEJA O ARQUIVO DE NOTÍCIAS COMPLETO >>

VEJA O ARQUIVO DE ARTIGOS COMPLETO >>